sábado, 31 de março de 2012

Das minhas vergonhas


esta noite sonhei com meu passado
mas era sonho com fragilidade de futuro

um a um chegava à minha casa
com seus sorrisos antiquados
com suas mãos enrrugadas de esquecimento

foram viris para dizer "venha".
covardes, houve um dia que disseram nada.

belos, pálidos, hepáticos
de certo encheram-me o ventre
afoitos, ansiosos, descrentes de si

nessa madrugada, todos juntos
reuniram-se à mesa, convocaram-me
e num adeus histriônico me fizeram mais mulher

enchi meu ventre de orgulho e amor
bendisse meu passado
mas exaltada, sem escárnio ou desprezo.

num presente concreto ainda sonhado
celebrei a hombridade dele
solene, erguido
olhei de frente em prantos
o homem da minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário